O dia

MP pede perda de mandato de prefeito recém eleito

Vice é o pivô do problema

O MP Eleitoral argumenta em ação impetrada na Justiça Eleitoral que o Partido Progressistas (PP) não tinha, à época das eleições, regular inscrição na circunscrição de Pimenta Bueno. Com isso, incidiriam os representados em hipótese de inelegibilidade superveniente, o que possibilita a cassação do diploma dos eleitos.

Essa é a segunda eleição ocorrida em Pimenta Bueno para o cargo de prefeito no período de dois anos, já que a prefeita Juliana Roque e seu vice Henrique Sanches, eleitos em 2016, tiveram o mandato cassado. Caso seja julgada procedente a ação intentada pelo Ministério Público, o município corre o risco de entrar para história política de Rondônia como o primeiro a ter três prefeitos no lapso de quatro anos.

Em âmbito estadual o Partido Social Liberal (PSL) está sendo acusado de não ter cumprido a cota de gênero para mulheres. Isso pode levar à cassação do mandato do único eleito à Assembleia Legislativa, Eyder Brasil, do deputado federal Coronel Crisóstomo e de toda a chapa que conduziu Marcos Rocha a vitória ao Governo do Estado.

Não conseguimos confirmar todas as informações sobre o caso. Nesta sexta-feira, prosseguimos com a apuração da notícia.

Artigos relacionados

Fechar