Cultura e entretenimento

MPF realiza audiência para fomentar vendas de artesanatos indígenas em Vilhena

Evento aconteceu na prefeitura de Vilhena e parte do trabalho será desenvolvido pelas secretarias municipais

Na presença de integrantes de diversas etnias indígenas, a Prefeitura de Vilhena se comprometeu em dar andamento a um grande projeto de valorização da arte, história, cultura e tradições dos povos indígenas da região. O poder público municipal fará um abrangente catálogo de divulgação das manifestações artísticas de todas as etnias do município e proximidades.

Organizada pelo Ministério Público Federal (MPF), a audiência pública realizada nesta semana reuniu diversas autoridades municipais, representantes da Fundação Nacional do Índio – município de Cacoal (Funai), Ministério Público (MP), além de membros de etnias indígenas locais. O objetivo foi encontrar as melhores soluções para ampliar o comércio de artesanato indígena, além de promover aspectos culturais das tribos.

“Desde que assumi a prefeitura estamos nos reunindo com representantes das etnias e estamos dando espaço para eles. Já vamos iniciar imediatamente a catalogação e registro em mídia dos trabalhos para que todos conheçam a riqueza do artesanato indígena de nossa região. Além disso, vamos buscar recursos e apoio para a construção da Casa do Índio, um pedido dos indígenas presentes na audiência”, prometeu o prefeito Eduardo Japonês (PV).

Durante o evento, os participantes sugeriram várias ações de fortalecimento do comércio de produtos indígenas. O debate começou às 14h, no auditório da Prefeitura, e continuou até o início da noite, com abordagem ampla de vários aspectos do tema.

“Já de imediato vamos fazer um catálogo de todas as etnias. E a Fundação Cultural de Vilhena (FCV), com apoio da Educação municipal e Estadual, irá até as aldeias para fazer a classificação do artesanato, bem como pesquisa sobre a produção para organizar a captação do artesanato”, explica a presidente da FCV, Kátia Valléria.

Ficou acertado também que todos os produtos captados pela prefeitura nas aldeias serão expostos em local fixo e também com a oportunidade de exibição e venda nas feiras de artesanato municipais, promovidas pela FCV.

As etnias concordaram em enviar um representante indígena durante cada semana do calendário de feiras para comercializar e divulgar os trabalhos. Garantido pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o traslado dos artesãos indígenas da aldeia para o centro urbano será frequente, a fim de manter a constância nos trabalhos de fomento à atividade.

De acordo com o prefeito, o projeto da Casa do Índio deverá ser concluído dentro de seis meses. Em busca de recursos para este e outros projetos, Eduardo Japonês já se encontra em viagem a Porto Velho nesta semana e, na próxima, vai a Brasília. A previsão de construção do prédio é para 2021.

A Secretaria Municipal de Comunicação já criou também uma página nas redes sociais, no dia seguinte à audiência, para centralizar a divulgação do tema. “Vamos atualizar nessa página todas as manifestações artísticas e históricas de todas as aldeias da cidade. Vai ser um trabalho longo e minucioso, que será realizado pela primeira vez na cidade”, explica o secretário de Comunicação, Jovino Lobaz.

Acesse a página “Artesanato Indígena Vilhena” pelo link a seguir e acompanhe o desenvolvimento das manifestações culturais, artísticas e históricas das diversas tribos locais apoiadas pela Fundação:https://www.facebook.com/artesanatoindigenavilhena 

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo