Deu na WEB

Em Rondônia, agentes socioeducativo começam a ser imunizados contra a covid-19

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), iniciou a imunização de 60 agentes de segurança do Sistema Socioeducativo, na quarta-feira (2). Foram distribuídas 30 doses da vacina nas unidades  da capital.
Em Porto Velho, os servidores foram vacinados em uma instituição de ensino superior, que fica na avenida Mamoré. A meta é incluir os agentes na imunização sempre que disponível para os servidores da Segurança Pública.
Para o presidente da Fundação Estadual de Atendimento Socioeducativo de Rondônia (Fease), Antônio Francisco Gomes Silva, a importância da imunização dos operadores do Sistema Socioeducativo é imensurável, pois segundo ele, trará melhorias no atendimento e na qualidade da medida socioeducativa. “Agradeço ao Governo do Estado por ter atendido a solicitação e ter incluído os agentes de segurança socioeducativo no rol da Segurança Pública para receber a vacina contra a covid-19, tendo em vista que os atendimentos aos adolescentes privados de liberdade foi um serviço que teve a sua continuidade em todo o período da pandemia, em atendimentos externo e interno, como é o caso das escoltas hospitalares”.
“Receber essa vacina foi um presente, pois proporciona segurança para nós, aos adolescentes e aqueles que possuem contato com os agentes de segurança socioeducativo”, agradece, o chefe do Grupo de Escolta Tática (GET), Esdras Souza de Freitas.
A coordenadora de Apoio ao Adolescente, Laynara Damascena Cruz, acredita que a categoria receber a vacina contra a doença nesse momento é a afirmação do compromisso do Poder Executivo com grupos mais vulneráveis. “Desde o início da pandemia o Sistema Socioeducativo não parou com suas atividades, nosso trabalho não pode sofrer interrupções. Os agentes socioeducativos merecem essa proteção, para sua segurança e dos adolescentes que estão em cumprimento de medida socioeducativa. Estamos todos nessa corrente contra o vírus, e agora com a imunização podemos trabalhar um pouco mais tranquilos”, garantiu.
Fonte
Secom

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo