DestaquePolítica

Às vésperas de reabrir comércio, prefeito volta atrás e mantém decreto das “portas fechadas” em Vilhena; ouça áudio

Deliberação para revogar medida aconteceu neste domingo

Estava quase tudo definido, mas a notícia do primeiro caso confirmado de covid-19 em Vilhena fez o prefeito Eduardo Japonês (PV) voltar atrás e manter o decreto das “portas fechadas” para o comércio do município.

A medida tem desagradado tanto a população de um modo geral, quanto os próprios comerciantes que vêm acumulando inúmeros prejuízos por conta da força da pandemia. Em áudio enviado a um grupo de empresários o próprio prefeito de Vilhena diz que estava em reunião com o conselho de enfrentamento ao coronavírus e que seus membros estavam dispostos a seguir o decreto do município de Ariquemes, que flexibilizou a atuação das empresas.

O problema, segundo Japonês, foi a confirmação do caso, que chegou ao conhecimento das autoridades da prefeitura por volta das 19h deste domingo, 5. “O comitê entendia que enquanto não houvesse caso confirmado, a gente poderia rever o nosso decreto e poderíamos flexibilizar”, disse o prefeito em trecho do áudio.

Japonês disse ainda que após a confirmação do 1º caso, o comitê achou prudente rastrear as pessoas que tiveram contato com o paciente e manter a determinação original, que é suspensão das atividades comerciais consideradas não essenciais.

O fio de esperança ao empresariado pelo prefeito de Vilhena é o novo decreto do governador Marcos Rocha, cuja publicação está prevista para o dia 12. A expectativa, de acordo com Japonês, é de que o município possa acompanhar o posicionamento do governo do estado e flexibilizar um pouco mais a movimentação das pessoas na rua.

Ouça áudio completo abaixo:

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo