DestaqueEspecial

Prata da casa: IFRO de Colorado do Oeste inicia produção de álcool em gel

Produção, no entanto, precisa de mais insumos para ampliação

O campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) em Colorado do Oeste iniciou um projeto que tem como principal finalidade contribuir com os cuidados necessários para combater a proliferação da Covid-19, doença causada pelo coronavírus.

Em uma ação conjunta o campus está produzindo em seu departamento de química álcoom em gel que está sendo entregue às unidade de saúde de Colorado do Oeste. Na primeira etapa do projeto foi feito um levantamento da necessidade mensal do produto nas unidades de saúde atendidas inicialmente.

A primeira entrega foi realizada no dia 31 de março e de acordo com a assessoria da instituição as entregas continuam acontecendo. De acordo com cálculos feitos pelo IFRO, a demanda inicial das unidades de saúde de Colorado do Oeste é de 270 litros por mês. O grupo que trabalha no projeto já produziu 130 litros.

A dificuldade na continuidade do trabalho e principalmente de manter a produção está nos insumos. De acordo com o diretor do IFRO de Colorado do Oeste, Marcos Aurélio Anequine de Macedo. A instituição vem produzindo o álcool, bem como as embalagens para entrega. Mas é necessário a compra de mais insumos, principalmente carbopol e glicerina, para que a produção possa sem ampliada de modo a conseguir atender outros municípios da região.

Desburocratizando

Em decorrência da pandemia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou universidades, institutos federais e laboratórios para produzir álcool em gel, mecanismo extremamente necessário para higienização constante das mãos a fim interromper a cadeia de transmissão do vírus.

Não tente fazer isso em casa

A técnica em laboratório de química do campus do IFRO em Colorado do Oeste faz uma advertência à população: “Importante falar que em casa não é possível produzir álcool em gel de qualidade e da forma correta, porque principalmente os reagentes utilizados são produtos controlados, não sendo qualquer pessoa que tem acesso a isso. Além do mais, é preciso ter controle, não é só fazer e misturar, tem que ter um pH adequado e também a viscosidade tem que estar adequada, para ser um produto bom e passível de uso pelas pessoas”, diz.

Parceria

O projeto conta com o apoio do Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO), além da prefeitura municipal de Colorado do Oeste, que anunciou que está tentando comprar mais insumos a fim de contribuir com a produção do IFRO.

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo