Política

Vilhena bate recordes em excesso de arrecadação; pautas da câmara comprovam sucesso financeiro

2º município mais rico de RO, Vilhena é também um dos municípios que menos valoriza seus servidores

A pauta da última sessão ordinária da câmara de vereadores de Vilhena é a prova concreta que o município de Vilhena é um dos mais prósperos de Rondônia. Ele é o segundo maior em arrecadação no estado e o documento oficial legislativo comprova a fala do prefeito Eduardo Japonês (PV): “Dinheiro tem, o que falta é gestão”. É comum o poder executivo encaminhar pedidos de autorização para abertura de crédito adicional suplementar com justificativa de excesso de arrecadação.

Somente na terça-feira passada, dia 13, a câmara recebeu pedido de autorização para abertura de crédito adicional por excesso de arrecadação que somados ultrapassam os R$ 800 mil de excesso de arrecadação. O recurso será destinado integralmente à Secretaria Municipal de Educação (SEMED).

Isso sem contar as sessões anteriores em que pedidos de abertura de crédito por excesso de arrecadação são extremamente comuns, além de aberturas de crédito por superávit financeiro. Se for analisado apenas os recursos que entram nas contas do município por superávit e excesso de arrecadação, o prefeito fica, portanto (e por conta própria) desmentido.

No último encontro que teve com representantes do Sindicato dos Servidores Municipais do Cone Sul de Rondônia (SINDSUL), que aconteceu no dia 1º de agosto (relembre AQUI), o prefeito foi enfático ao dizer que não tinha dinheiro porque a arrecadação do município é baixa.

As próprias ações do prefeito, bem como a publicidade oficial do município comprovam que suas declarações para enrolar o sindicato são balela. Isso porque Japonês injetou mais R$8 milhões de recursos municipais (Relembre AQUI) no saldo do programa “Pró-transporte” na tentativa de garantir sua reeleição. Além disso, ele mesmo disse que conseguiu economizar recursos no corte de comissionados.

As declarações contraditórias do prefeito, bem como os pedidos de abertura de crédito por excesso de arrecadação mostram que o Plano de Carreira, Cargos e Salários do município (PCCs) só não sai do campo das ideias porque o executivo não quer.

A ARRECADAÇÃO VAI AUMENTAR NO ANO QUE VEM

Para aumentar o valor de dinheiro gerenciado, o prefeito Eduardo Japonês (PV) já tem na mão autorização da câmara de vereadores para reajustar em níveis estratosféricos o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Em que pese o fato de Japa e sua equipe estudarem a possibilidade de revogar a lei para não prejudicar sua reeleição, o reajuste de taxas e outros impostos incrementam ainda mais a arrecadação do município.

Outro fato que corrobora para a economia de recursos é Japonês não ter colocado em prática nenhum projeto de sua autoria. Ele apenas vem conduzindo obras que estavam em andamento no município, e por não haver nada de novo, logicamente sobra recursos para investir, por exemplo, no PCCs.

É comum o Executivo enviar ao Legislativo pedido de abertura de crédito sob a justificativa de excesso de arrecadação – foto: Gazeta Amazônica

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo