DestaqueDeu na WEB

Plano de fuga de Marcola custaria R$ 80 milhões; líder do PCC já esteve em Rondônia

Compra de equipamentos e até mesmo material de guerrilha estava sendo preparado

De acordo com o site brasiliense Metrópole, o presidiário Marcos Willians Herbas Camacho, mais conhecido como Marcola, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) estaria organizando uma fuga do sistema penitenciário federal que custaria aproximadamente R$ 80 milhões. De acordo com o periódico eletrônico, o recurso seria utilizado para a compra de material bélico, veículos blindados, além de treinamento de pessoal.

O jornal apurou, também, que a equipe envolvida na operação é considerada topo de linha, pois além de terem conhecimento de armas e noções paramilitares, já teriam feito um mapeamento da unidade prisional onde Marcola está, em Brasília.

Ele e outros integrantes do PCC, no entanto, já passaram uma temporada no presídio de segurança máxima de Porto Velho. Além de Marcola, Rondônia também hospedou o traficante Fernandinho Beira Mar, um dos pop stars do crime organizado no país.

Marcola passou uma temporada no presídio federal de Rondônia – foto: Divulgação

Ainda de acordo com o site, todo o planejamento e execução do plano de fuga estavam a cargo do traficante Gilberto Aparecido dos Santos, o “Fuminho”, como é conhecido. As autoridades de segurança negam que haja um plano de fuga em andamento, mas ainda assim, no entorno do presídio há efetivos do Exército fortemente armados com blindados. A justificativa para a presença dos militares é apenas a exibição da força do Exército – e que não há motivos para preocupação.

Se somadas todas as penas de Marcola, ele tem mais de 300 anos para cumprir. O líder da facção deixou Rondônia em março deste ano. Esta mudança de penitenciárias, de acordo com os agentes federais, é uma estratégia para dificultar o fortalecimento das facções e o poder de liderança dos presos.

Assim como aconteceu em Rondônia, a Força Nacional de segurança, também faz monitoramento dos presídios onde há lideranças faccionadas.

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo