DestaqueO dia

Novo laudo atesta que acusada de matar ex no sexo é sociopata

Defesa alega que isso não é o suficiente para manter Vânia em "cárcere eterno"

Um novo laudo de sanidade mental atestou que Vânia Basílio Rocha ainda é sociopata – pessoa com transtorno de personalidade antissocial – e não pode cumprir o restante da pena no regime semiaberto, em Vilhena. Vânia está presa por ter matado o ex-namorado a facadas durante o ato sexual.

A conclusão do novo laudo, divulgado nesta quinta-feira, 28, foi feita por uma junta médica designada pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO). Vânia fez o exame psiquiátrico no Hospital de Base, em Porto Velho, no dia 30 de outubro.

Diante da conclusão deste novo laudo, Vânia não poderá ser beneficiada com a progressão de regime e continuará presa no presídio feminino de Vilhena.

À Rede Amazônica, o defensor da jovem disse entender que mesmo com o novo laudo atestando problemas psicológicos, isso não é o suficiente para manter Vânia em “cárcere eterno”. Primeiro que ela não foi considerada inimputável e, segundo, que o Estado não teria oferecido acompanhamento de uma médica especialista.

Como Vânia já preenche os requisitos para progredir do regime de fechado para o semiaberto, o defensor diz que deve recorrer ao TJ-RO para que a decisão de primeira instância seja avaliada.

Este novo exame havia sido solicitado pela defesa para que Vânia cumprisse o restante da pena no regime semiaberto.

Em 2018, Vânia ganhou direito de progredir para o regime semiaberto, porém a Justiça ressaltou que ela teria que passar por um psiquiatra a fim de ser atestado que a detenta está apta para viver em sociedade. No exame feito à época, Vânia foi reprovada porque o laudo também indicou sociopatia.

Bom comportamento na prisão

A defesa diz que Vânia tem bom comportamento e trabalha e estuda dentro da prisão. A ré foi condenada a 13 anos de prisão, mas teve a pena reduzida para 8 anos e cumpre pena no regime fechado por ter matado o ex-namorado a facadas, durante o ato sexual, em dezembro de 2015. A defesa pediu progressão para o regime semiaberto no ano passado, mas o pedido foi negado em primeira e segunda instância.

Em janeiro deste ano, Vânia conseguiu uma autorização judicial para casar, em Vilhena. A cerimônia foi realizada no cartório da cidade e o “sim” para o noivo foi acompanhado de beijos.

“Queria matar alguém”

Na época em que matou ex a facadas, a acusada confessou ter matado Marcos Catanio Porto e disse: “queria matar alguém”. Antes do assassinato, a jovem chegou a escrever um post no Facebook afirmando não ter sido uma má namorada. A perícia no corpo de Marcos revelou que ele foi assassinado com 11 facadas.

Um laudo feito meses depois da prisão apontou que Vânia é sociopata. No júri em que foi condenada, em setembro de 2016, a acusada fez cara de fúria ao ouvir a sentença. Em setembro de 2017, a jovem foi agredida por uma detenta e chegou a sair para registrar boletim de ocorrência.

 

Fonte
Renato Barros/G1
Etiquetas

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Fechar