O dia

Investigou, acusou e condenou à tortura com ajuda de amigo, conclui investigação

Vítima acabou morrendo em decorrência do espancamento

O delegado de polícia Núbio Oliveira convocou uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 31, para apresentar a conclusão do processo investigativo relacionado à morte de Lucas Gabriel de Oliveira Lima, que aconteceu em decorrência de espancamento. Durante investigação definida como brilhante pelo delegado, executada pelo Serviço de Investigação e Captura (SEVIC) da Polícia Civil de Vilhena, dois homens acabaram sendo encontrados e assumiram a autoria do crime.

Eduardo e Messias explicaram que não tinham intenção de matar Lucas Gabriel, e que o objetivo da surra era fazer com que ele respeitasse o patrimônio alheio. Segundo dados da investigação, a casa de Eduardo teria sido alvo de ação de ladrões e uma botija de gás da sua casa acabou sendo roubada. Ele iniciou uma investigação por conta própria a fim de tentar descobrir quem foi a pessoa que invadiu sua residência.

O delegado explicou que Eduardo estava convicto de que o autor da ação era Lucas. Eduardo então contou ao amigo, que tomou suas dores. Ambos os acusados bebiam em um bar na noite dia 20 de junho no momento em que Lucas passou pelo boteco e comprou um refrigerante.

A dupla acabou encontrando Lucas minutos depois já no bairro São José e começaram a agredir a vítima com socos e chutes até que ele desmaiou. Lucas chegou a ser socorrido ao Hospital Regional, foi transferido para Cacoal, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

“Ele não aguentou 4 minutos de porrada”

O delegado de polícia relatou que a dupla foi identificada como autora das agressões – e posteriormente o homicídio – por uma mudança de comportamento. Pessoas ligadas aos dois relataram aos policiais durante as investigações que após o crime ambos passaram a ficar mais calados e apresentaram comportamento diferente do habitual.

Durante depoimento, os autores do crime confirmaram envolvimento e relataram alguns detalhes de toda trama. De acordo com o que fora dito ao delegado, Lucas caçoava de Eduardo sobre o furto da botija de gás e disse que não havia modos de provar que ele era o autor do crime.

Um dos envolvidos na agressão relatou que durante a sessão de espancamento, Lucas não aguentou sequer quatro minutos de porrada. “Ele relatou isso em tom de crítica”, relembrou o delegado ao narrar a passagem. O ataque cessou apenas no momento em que a vítima ficou desacordado.

Testemunha

Uma testemunha que viu o crime relatou que no momento em que a dupla agredia a vítima, ambos diziam que Lucas era ladrão e por este motivo estava apanhando. A testemunha é um vigilante que faz ronda de motocicleta pelo bairro.

Ela – a testemunha – relatou que não interviu porque eram dois homens contra ele apenas. Mas foi esta pessoa que acionou a Polícia Militar (PM) para ir até o local.

Delegado Núbio Oliveira foi o responsável pelo inquérito de elucidação do crime

Quem é quem

De acordo com o processo investigatório, os dois autores do crime são primários – ou seja, não há registro de que cometeram outros crimes anteriores ao episódio – e colaboraram com a investigação. Em que pese o fato de que tenham matado a vítima, possuem endereços fixos e fixou constado de que não representam perigo à sociedade, e por isso a não foi decretada prisão. Ambos foram indiciados por homicídio simples.

A vítima, no entanto, era muito conhecida pela polícia. Lucas tinha diversas passagens principalmente por furtos e roubos. Sua ficha policial é extensa e quando menor chegou a ser preso por uma série de outros crimes.

Causa da morte

Os exames periciais feitos no cadáver da vítima, de acordo com as investigações, mostram que haviam várias lesões em seu crânio, o que provocou traumatismo cranioencefálico, além de lesões de arrasto.

Rômulo Azevedo

Jornalista e graduado em Marketing, atua na comunicação desde 2006. Especialista em Jornalismo on-line, com experiência em Assessoria de Comunicação e Marketing. Está na Gazeta Amazônica em busca de novas formas de se fazer Jornalismo em Rondônia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo